sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Ziraldo : Um Menino Maluquinho

           Biografia de ZIRALDO


           Ziraldo Alves Pinto, nasceu no dia 24 de outubro de 1932, em Caratinga, Minas Gerais. É o mais velho de uma família de sete irmãos. Seu nome vem da combinação dos nomes de sua mãe, Zizinha com o de seu pai Geraldo: surgindo assim, Ziraldo, nome único.
Ele se muda para o Rio de Janeiro aos 16 anos. Começou sua carreira nos anos 50, em jornais e revistas de expressão, como jornal do Brasil, O Cruzeiro, Folha de Minas, entre outros. Além de pintor é cartazista, jornalista, teatrólogo, chargista, caricaturista, escritor e colecionador de piadas.
Seus trabalhos já foram traduzidos para diversos idiomas como francês, espanhol, alemão, inglês, italiano e basco, e representam o talento e o humor brasileiros no mundo. Estão até expostos em museu, além disso, ilustrou o primeiro livro brasileiro com versão integral online, em uma iniciativa pioneira.
Ziraldo tem paixão pelo desenho desde a mais tenra idade. Desenhava em todos os lugares - na calçada, nas paredes, na sala de aula. Outra de suas paixões desde a infância é a leitura, lia tudo que caia nas mãos.
Sua carreira começou na revista Era uma vez... com colaboração mensais. Em 1954 começa a trabalhar no jornal Folha de Minas com uma página de humor, e por coincidência foi esse mesmo jornal que publicou o seu primeiro desenho quando tinha apenas seis anos de idade.
Grandes acontecimentos marcaram a vida do artista no ano de 1969, ganhou o Oscar Internacional de Humor no 32º Salão Internacional de Caricaturas de Bruxelas e o prêmio Merghantealler, prêmio máximo da imprensa livre da América Latina, patrocinado pela Associação Internacional de Imprensa, recebida em Caracas, Venezuela. Foi convidado a desenhar o cartaz anual da UNICEF, honraria concedida pela primeira vez a um artista Latino. Neste mesmo ano publicou seu primeiro livro infantil, FLICTS.
Como todo bom brasileiro, Ziraldo aprecia o carnaval, o seu primeiro livro foi enredo de Escola de Samba em Juiz de Fora, também desfilou no alto de um carro com um enorme Menino Maluquinho.
Ziraldo tem diversas passagens pela TV, e quando entrevistado tem sempre ponto de vista interessantes a defender, e uma de suas frases mais conhecidas é "Ler é mais importante do que estudar".

Algumas de suas obras mais significativas e de grande repercussão:

·        O Menino do Rio Doce
·         Prêmio Galo de Ouro - troféu desenhado por Ziraldo para o Festival Internacional da Canção - 1996
·         A supermãe
·         Flicts
·         O Aspite
·         Turma do Pererê
·         O Menino Maluquinho
·         O Bichinho da Maçã
·         A Fábula das Três Cores
·         O Joelho Juvenal
·         O Planeta Lilás
·         Uma Professora Muito Maluquinha
·         Vito Grandam
·         O Menino e seu Amigo
·         Jeremias, o Bom
·         Queremos Paz (em parceria com crianças de todo Brasil por meio do Portal Educacional)
·         O Menino Quadradinho
·         Almanaque Maluquinho - Esportes Radicais
·         Os dez amigos
·         Rolim
·         O Olho do Consumidor
·         Menina Nina"

O Menino Maluquinho 


 Era uma vez um menino maluquinho 


Ele tinha o olho maior que a barriga 




tinha fogo no rabo

tinha vento nos pés

umas pernas enormes
(que davam para abraçar o mundo)



e macaquinhos no sótão 
(embora nem soubesse o que
significava macaquinhos no sótão).

Ele era um menino impossível!

A melhor coisa do mundo
na casa do menino maluquinho
era quando ele voltava da escola
A pasta e os livros
chegavam sempre primeiro
voando na frente


Um dia no fim de ano 
o menino maluquinho 
chegou em casa com uma bomba: 
"Mamãe, tou aí com uma bomba!" 

(...)


Fontes: 
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.phpcod=4123&cat=Infantil&vinda=S
httpp://www.ziraldo.com/livros/home.htm


Postado por:
Bruna Sonaly Diniz Bernardino e Jéssica Rodriguez de Queiroz 
Graduandas do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia - UFCG
Bolsistas do Programa de Educação Tutorial - PET






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antonio Gramsci

Todo Estado é uma ditadura.