quinta-feira, 25 de julho de 2013

Seminário Temático


Uma chance de conhecer a produção acadêmico-cientifica e áreas de estudos dos professores do curso de Pedagogia.


Venham, participem!!!


quarta-feira, 24 de julho de 2013

Até quando o Brasil seguirá os corporate reformers (reformadores empresariais) e o negativo modelo de escola charter dos EUA?



"An Education Declaration to Rebuild America" 
(Declaração sobre a Educação para reconstruir os EUA)



        
          A comunidade educacional estadunidense vive um momento de intenso debate sobre os rumos das políticas adotadas no país nos últimos trinta anos (conhecidos como "os anos perdidos da educação"). Na terça-feira (11/06/2013), um grupo de educadores, pais, ativistas, pesquisadores e representantes de governo lançaram uma declaração que propõe um novo modelo de reforma educacional para seu país: “An Education Declaration to Rebuild America".
      Contrário às políticas de educação em voga nos EUA, pautadas pela lógica do mercado, pela aplicação de testes padronizados de larga escala e pela responsabilização escolar e docente, o documento apresenta uma reforma abrangente, que preconiza o apoio (e não a punição) a escolas e professores, a rejeição à privatização desregulada e irresponsável e reafirma a importância da valorização do magistério. Além disso, reconhece as condições socioeconômicas, especialmente a pobreza, como fator que influencia o desempenho acadêmico dos alunos. Como resposta, a nova agenda propõe um modelo de avaliação que foge daquele que toma os testes padronizados como medida única, orientadora das políticas.
       Considerando a influência no Brasil dos reformadores empresariais dos EUA, a rede da Campanha Nacional pelo Direito à Educação traduziu a Declaração. Com isso, não se está sugerindo uma transferência descontextualizada das propostas norte-americanas. Contudo, espera estimular no Brasil a construção de uma reforma social, republicana e democrática da educação, como contraponto da reforma empresarial, fortalecendo, tanto lá quanto aqui, um esforço de resistência. O objetivo é recolocar, no centro do debate, o real fortalecimento da escola pública, como uma instituição republicana e democrática, alicerçada em políticas de valorização dos profissionais da educação, gestão democrática e reforma curricular, capazes de garantir a aprendizagem dos educandos.
      O momento é oportuno, pois tramitam no Congresso Nacional propostas de leis decisivas para a reforma educacional brasileira, como o Plano Nacional de Educação e a Lei de Responsabilidade Educacional. Além disso, o Ministério da Educação busca formular o Sinaeb (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica), fruto da elaboração da sociedade civil. Ademais, no presente momento, se intensifica o processo político da Conferência Nacional de Educação, agendada para fevereiro de 2014.

Adaptação de: Ação educativa

Por que o Brasil tem implantado de forma crescente experiências como essas, de resultados negativos?
Comente. Exponha sua opinião!

Fontes:
Saiba mais: clique aqui.

Postado por:
Bruna Sonaly
Laís Venâncio de Melo
Graduandas em Licenciatura em Pedagogia - UFCG
Bolsistas do Programa de Educação Tutorial - PET


terça-feira, 23 de julho de 2013



MINICURSO EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA

LOCAL: MINI-AUDITÓRIO DA UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS (UAL)

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Seminários de aprofundamento sobre o pensamento pedagógico brasileiro contemporâneo - Paulo Freire: Educação como Prática de Liberdade


   O objetivo deste estudo é contribuir para o aprimoramento da formação acadêmica dos alunos do Curso de Pedagogia, bem como das PETianas, por meio de reflexões mais aprofundadas acerca da educação brasileira.  Este estudo, começará no dia 23/07 às 14h, com encontros quinzenais. 
  Inicialmente, discutiremos o Prefácio - Educação e Política de Weffort e o Primeiro Capítulo - A Sociedade Brasileira em Transição.







Para ter acesso ao livro online, clique aqui!

terça-feira, 16 de julho de 2013

Minicurso: Educação Ambiental na Escola

Este minicurso é dirigido a alunos e professores da educação infantil e dos anos iniciais do ensino fundamental, e conta com a colaboração do Professor Mestre em Química, pela Universidade Federal da Paraíba, Guilherme Leocárdio Lucena dos Santos. 
O minicurso será nos dias 22, 29 de julho e 05 de agosto (segundas-feiras) à partir das 18h.
O curso abordará os seguintes temas: a terra em que vivemos, problemas e desafios; conceitos sobre aquecimento global, resíduos sólidos e coleta seletiva; educação ambiental na escola, como tratá-la? 
Se interessou pelo minicurso?

INSCRIÇÕES ENCERRADAS!

sexta-feira, 12 de julho de 2013

PL 4699/2012 - Manifestação: SBPC-ABC

São Paulo, 10 de julho de 2013
SBPC-077/Dir.

Exmo. Senhor
Deputado FRANCISCO RODRIGUES DE ALENCAR FILHO
Câmara dos Deputados

RE: PL 4699/2012

Senhor Deputado,

A Academia Brasileira de Ciências (ABC) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da
Ciência (SBPC) apoiam e reforçam a posição das diversas sociedades científicas e associações
profissionais, em relação à tramitação do PL 4699 de 2012, de autoria do senador Paulo
Paim. Solicitamos que a tramitação seja imediatamente interrompida, para que debates
amplos e audiências públicas possam ser realizados com toda a sociedade brasileira.
O projeto tem problemas graves e, se aprovado na forma em que está, trará sérios
prejuízos ao Brasil e ao ensino superior de inúmeras disciplinas relacionadas com a História.
O PL 4699/2012 estabelece que apenas portadores de diploma de História
(graduação ou pós-graduação) poderão ministrar disciplinas de História, em qualquer nível,
bem como elaborar trabalhos sobre temas históricos. No entanto, existem diversas áreas de
pesquisa e ensino cujo nome inclui “História” e que, no Brasil e no exterior, são atividades
que podem ser desenvolvidas por profissionais de outras áreas que não tenham diploma em
História. Como exemplo, citamos: História da Medicina, História da Física, História da
Biologia, História da Psicologia, História do Direito, História da Arte, História da Filosofia,
História da Literatura, História da Matemática, História da Computação, História da
Educação, História Militar, entre várias outras.
A atual redação do Projeto de Lei 4699/2012 proíbe todos os atuais professores de
ensino superior que não possuem diploma de História e que ministram disciplinas citadas
acima de continuarem a ministrar essas aulas. E para aumentar nossa preocupação em
relação ao impacto deste projeto, informamos aos senhores deputados que os cursos de
graduação em História não incluem qualquer daquelas disciplinas; e raramente os cursos de
pós-graduação em História incluem alguma delas. Portanto, senhores deputados, ter um
diploma de História não garante o domínio do conhecimento das áreas mencionadas acima,
podendo consequentemente, comprometer a qualidade do ensino e da pesquisa de tais
áreas.
Diante do exposto, solicitamos aos senhores deputados que não votem o PL
4699/2012 antes da realização de audiências públicas que permitam que os diversos
profissionais envolvidos no ensino e pesquisa dos diversos temas históricos se posicionem
de forma a contribuir com o aprimoramento do projeto e com a tomada de decisão dos
senhores.

Atenciosamente,
HELENA B. NADER
 Presidente da SBPC

JACOB PALIS
 Presidente da ABC

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Que infância defendemos?



    

    Atualmente, existem leis, estatutos que referenciam a defesa e proteção integral das crianças e adolescentes. E os cursos de formação de professores enfatizam e defendem a necessidade maiores cuidados com a criança. 
     Entretanto, a mídia mostra uma infância diferente, adultizada, mas será que há uma infância? Se considerarmos que estamos caminhando para um retrocesso, no que diz respeito a conquista de direitos das crianças, podemos dizer que a infância está sendo minimizada. E neste sentido, esse processo de adultização da infância acaba trazendo consequências para a formação das crianças.
    Uma das explicações para este fato que vem ocorrendo, é devido a força que o capitalismo ganha na medida em que as crianças vistas como adultos em miniatura, são consumidores em potencial, inserindo desde muito cedo à prática do consumo nas crianças, o que facilita e eleva o número de acumulação do capital. Algo que merece destaque é que com a adultização, as crianças perdem a infância, fase imprescindível do seu desenvolvimento.

img2.jpg
Números que demonstram a importância dos Pediatras
       
    No campo da saúde esse fato já assume dados alarmantes, segundo o jornal da Paraíba: Nos últimos anos, houve uma queda na procura pela especialidade de pediatria. Na Paraíba há 514 profissionais, conforme a pesquisa Demografia Médica no Brasil, divulgada este ano pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Número considerado baixo pela Sociedade Paraibana de Pediatria (SPP), que destaca que, no Estado, há um pediatra para cada 800 crianças, e que a Organização Mundial de Saúde (OMS) determina um para cada 200. No entanto, o interesse pela área se reduz pela má remuneração e inúmeros retornos de consultas, que não geram pagamentos, além da necessidade de estar constantemente disponível para atender as crianças brasileiras.
    


Texto escrito e postado por: 
Jéssica Rodrigues de Queiroz 
Pâmella Tamires A. de Sousa
Graduandas de Licenciatura em Pedagogia - UFCG
Bolsistas do Programa de Educação Tutorial - PET

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Alterações na Lei de Diretrizes e Bases (LDB)


Nova lei torna estudo obrigatório a partir dos 4 anos de idade. Entre as inovações no texto da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) está a consideração com a diversidade étnico-racial.
Publicada no Diário Oficial da União, o projeto de lei altera vários trechos da LDB. O novo texto afirma que o Estado é obrigado a garantir à população educação escolar pública e gratuita dos quatro aos 17 anos de idade. A nova legislação ainda torna “dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação básica a partir dos quatro anos de idade”.

Na norma anterior, a matrícula na pré-escola era obrigatória a partir dos seis anos de idade. Quanto à execução dessas novas regulamentações os governos estaduais e municipais têm até 2016 para garantir vagas a todas as crianças com idade desde quatro anos.





Postado por:
Jéssica Rodrigues de Queiroz
Pâmella Tamires Avelino de Sousa
Graduandas de Licenciatura em Pedagogia - UFCG
Bolsistas do Programa de Educação Tutorial - PET

sábado, 6 de julho de 2013

Workshops voltados aos Distúrbios de Desenvolvimento

Nos dias 19 e 20 de julho de 2013 a Associação Afeto Autismo promoverá no Recife dois cursos, ministrados pelo professor e doutor Caio Miguel. O professor Caio Miguel formou-se em psicologia na PUC-SP e obteve seu mestrado e doutorado em Análise do Comportamento pela Western Michigan University sob orientação do professor Jack Michael. Atualmente, ele é professor e diretor do programa de Pós-Graduação em Análise do Comportamento da California State University em Sacramento. Ele foi editor chefe da revista The Analysis of Verbal Behavior (2008-2011) e serve como membro do conselho editorial de quase todas as principais revistas da área, incluindo o Journal of the Experimental Analysis of Behavior, Journal of Applied Behavior Analysis, The Behavior Analyst e Psychological Record. Já ministrou mais de 100 palestras sobre comportamento verbal na América do Norte, América do Sul e Europa, além de ter publicado dezenas de artigos científicos sobre comportamento verbal, relações derivadas e análise de sistemas comportamentais.




Acesse o site para mais informações.

POSTADO POR:
Juliana Vasconcelos de Andrade
Graduanda de Licenciatura em Pedagogia - UFCG 
Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET 

Antonio Gramsci

Todo Estado é uma ditadura.