ENSINO

                                    Seminário Temático
Profa. Dra. Marta Helena
 Modos contemporâneos de inclusão escolar de alunos e alunas com deficiência e dos que apresentam transtornos globais do desenvolvimento


RESUMO

"Modos contemporâneos de inclusão escolar de alunos e alunas com deficiência e dos que apresentam transtornos globais do desenvolvimento: um estudo de casos múltiplos em escolas públicas da Paraíba"


SERPA, Marta Helena Burity. Modos contemporâneos de inclusão escolar de alunos e alunas com deficiência e dos que apresentam transtornos globais do desenvolvimento: um estudo de casos múltiplos em escolas públicas da Paraíba. Tese (Doutorado Em Educação), Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade  Federal De Campina Grande, 2011

Orientador: Prof.º Dr.º Lemuel Guerra Sobrinho


Na atualidade, em várias partes do mundo, busca-se combater a exclusão social. Uma das alternativas é a busca de uma educação inclusiva, a qual procura atender a toda e qualquer diversidade, seja de etnia, classe social, gênero, religião, idade e das pessoas com deficiência, sujeitos de nosso estudo, em prol de uma sociedade mais justa e solidária. Nesse contexto, nossa pesquisa se apóia no seguinte questionamento básico: De que maneiras se dá a inclusão escolar de alunos e alunas com deficiência, sobretudo, aqueles (as) com deficiências intelectuais e as com transtornos globais do desenvolvimento no espaço educacional brasileiro? Na busca de respostas, consideramos: 1) A contribuição de Bauman, em sua reflexão sobre a construção sociocultural do normal e do anormal, e na analogia entre esta e as noções de pureza e impureza; 2) A interpretação de Bourdieu em relação ao funcionamento do espaço educacional, montado para privilegiar e confirmar a lógica de acumulação de capitais de diversas ordens, inclusive o intelectual, estando os indivíduos com deficiências intelectuais já destinados ao fracasso e à exclusão; 3) A teoria do estigma, de Goffman, a partir da qual podemos interpretar as dificuldades da inclusão escolar dos alunos e alunas com deficiência como estando ligadas aos processos de estigmatização e aos preconceitos que cercam este grupo, construídos no âmbito escolar como um desdobramento de dinâmicas socioculturais em curso na sociedade envolvente. Com relação aos aspectos metodológicos, realizamos estudos de casos múltiplos, realizados em uma escola pública, em Cajazeiras-PB, e em outra, na cidade de Campina Grande-PB, sendo apresentada a análise dos documentos e de um conjunto de dados coletados, por meio de entrevistas e registros audiovisuais dos dois cenários empíricos escolhidos. A investigação nos conduziu a compreender o estigma, entre outas dificuldades, a exemplo das representações dos professores sobre as necessidades escolares de alunos deficientes, como um dos grandes entraves para a concretização de uma escola verdadeiramente inclusiva.

Palavras-chaves:  Escola inclusiva; Estigma;  Estudantes com Deficiências.


___________________________________________________


APRESENTAÇÃO DO LIVRO CASA-GRANDE ESENZALA (GILBERTO FREYRE)


A apresentação do livro Casa-Grande e Senzala, nas turmas da Disciplina de Fundamentos Históricos da Educação II, representam a culminância da atividade Ciclo de Estudos Intérpretes do Brasil, a qual consiste no estudo de obras de pensadores sociais como Gilberto Freyre (livro: Casa-Grande e Senzala) e Sérgio Buarque de Holanda (livro: Raízes do Brasil), que discutem grandes questões nacionais da formação da sociedade brasileira, com base nos aspectos sócio-culturais, econômicos e educacionais, de referência nas ciências sociais e na literatura nacional.

Com o objetivo de aprimorar a formação acadêmica das alunas PETianas e dos demais graduandos do Curso de Pedagogia da UFCG, esta atividade pretende minimizar a precária abordagem das áreas do conhecimento não diretamente ligadas à prática docente em sala de aula. 

Clique aqui e veja a apresentação de slides do livro Casa-Grande e Senzala
6 e 13 de dezembro de 2012
Disciplina de Fundamentos Históricos da Educação II 

_______________________________________________________________________________

Seminário TemáticoProfa. Dra. Eleny Gianini PROFESSORES SURDOS DE LIBRAS


RESUMO
"A formação de professores surdos de Libras: a centralidade de ambientes bilíngues em sua formação"
GIANINI, Eleny. A formação de professores surdos de Libras: a centralidade de ambientes bilíngues em sua formação. f.209. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.
Orientadora: Profª. Drª. Maria da Conceição Passeggi

O objeto de estudo desta tese entrecruza a história da educação de surdos, nos últimos 30 anos, em três escolas para surdos nos municípios de Campina Grande, Gado Bravo e Aroeiras, na Paraíba, as histórias de vida de seis docentes surdos de Língua Brasileira de Sinais (Libras), que se formaram e atuam nessas instituições de ensino para surdos e o nosso próprio percurso, como formadora e pesquisadora. O trabalho foi desenvolvido no marco teórico-metodológico da pesquisa (auto)biográfica em Educação e dos estudos sócio-históricos sobre a formação social do humano. O corpus utilizado para a análise constou de seis entrevistas narrativas, realizadas em língua de sinais e transcritas para o português, de documentos e arquivos pessoais e institucionais. A análise nos possibilitou delimitar três momentos charneiras dessa história: o da criação da primeira escola para surdos, no marco do Oralismo (1980 – 1991), o da passagem para a Comunicação Total (1991 – 1995) e, finalmente, o da introdução do Bilinguismo (1995 aos dias de hoje). As análises revelam que as trajetórias de formação docente dos participantes da pesquisa refletem a história das três escolas que constituíram espaços sociais bilíngues de suma importância para os sujeitos e a comunidade surda enquanto grupo social de minoria linguística e cultural. A evolução dessa trajetória permitiu demarcar duas gerações entre os participantes da pesquisa. A geração dos herdeiros do oralismo, que tiveram acesso tardio a Libras e que viveram uma educação referenciada no Oralismo, cujas reminiscências da infância e da adolescência estão fortemente marcadas por sofrimento pela falta de comunicação, o que dificulta sua trajetória social e profissional até hoje e a geração dos filhos do bilinguismo, os mais novos em idade, que tiveram acesso a Libras na infância e à escolaridade nos marcos do bilinguismo, cujas reminiscências não estão marcadas pelo sofrimento e têm uma visão positiva do futuro. No que concerne à sua formação docente, destacam-se três figuras de professor. A do professor improvisado, mais próxima dos docentes da primeira geração que foram chamados a ensinar sem a devida formação. A figura do professor artesão, que corresponde à imagem que a maioria deles tem de si mesmo atualmente, entendendo que seus saberes fundamentam-se na troca entre pares e, finalmente, a figura do professor de verdade, que se coloca em seu horizonte de expectativas como futuros graduados em Letras/Libras. As narrativas permitiram perceber que a evolução entre essas figuras está alicerçada nas contribuições do outro: professores ouvintes da EDAC e da Universidade Federal de Campina Grande e professores surdos das duas gerações que aprendem mutuamente. As análises e reflexões permitiram defender a tese da centralidade de ambientes bilíngues para a constituição da pessoa surda como cidadão de plenos direitos, com base na voz dos surdos, silenciados pela história da educação, conduzida por ouvintes. 

Palavras-chave: Formação de professores surdos de Libras. Educação de surdos. Pesquisa (auto)biográfica em Educação. Entrevista narrativa.

 Apresentação em slides


___________________________________________________________________________


FiliPETa

2012.1


2012.2

_______________________________________________________________________________

Ciclo de Estudos Intérpretes do Brasil







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antonio Gramsci

Todo Estado é uma ditadura.